Posts Tagged ‘Ponto Final II’

Ponto Final – 7 de outubro

Diagnóstico do Regional

Antes de tudo, um esclarecimento: a nota sobre a situação do Hospital Regional de São José foi repassada por um leitor que não pode se identificar (é funcionário público) e que não colocou a culpa nos servidores do estabelecimento de saúde. Dito isso, passo a publicar o que enviou outro leitor, que se assinou apenas como Marcos:

“A sua avaliação sobre os problemas da saúde está equivocada. Eis alguns fatos que o futuro governador precisa se preocupar antes de se travestir de paciente para pegar a situação dos hospitais:

a) o governo estadual não repassou os recursos previstos na constituição para o setor saúde;

b) o processo de deterioração dos equipamentos e área física chega a ser criminoso”.

c) os níveis salariais praticados pelo mesmo patrão, o Estado, para seus funcionários caracteriza a prioridade que ele dá à saúde. Compare o salário do médico com o salário do promotor de Justiça: a relação ultrapassa a dez vezes”.

Tem mais

Prossegue o leitor Marcos, a propósito do Hospital Regional de São José:

“d) nos corredores das emergências, onde o último investimento é da década de 80, os pacientes estão jogados pelos corredores. O soro necessário para a manutenção da sua vida, por falta de um simples suporte é improvisado com um clips de papel e esparadrapo. Esses abnegados funcionários não merecem a sua nota e ficas devendo uma matéria aprofundando o conhecimento da situação e não simplesmente colocando a culpa no servidor. Tu és mais inteligente do que isso”.

Elevado

O prefeito Dário Berger afirmou que o elevado sobre o trevo da Seta, cuja conclusão deve acontecer até a temporada, é a prioridade de seu governo e garante que, após a inauguração, as intermináveis filas na Via Expressa Sul e na rodovia SC-405, no Sul da Ilha, serão reduzidas. “Este elevado já deveria ser construído há muito tempo para terminar com o sofrimento da população do Sul da Ilha que quer ir para casa depois de um dia de trabalho”.

Reação

O vereador Asael Pereira (PSB) apresentou requerimento na sessão de ontem da Câmara de Florianópolis para que seja intensificada a vistoria por parte dos fiscais, quanto aos vendedores que tomaram conta da Rua Felipe Schmidt e da Avenida Paulo Fontes. Asael argumentou que a situação está se tornando insustentável, com prejuízos para o comércio formal e para para os pedestres.

Longe do meio-fio

Moradores do Residencial Country Club, que fica em frente à cena do flagrante, pedem, por gentileza, mais atenção e educação dos motoristas que estacionam seus carros na via marginal da Beira-mar. O desrespeito acaba causando o que o jornalista Urbano Salles flagrou: um carro mal-estacionado estrangulou a via por mais de uma hora, obrigando quem passava a subir na calçada.

Pretensão pouca…

… é bobagem. Há anos ouvimos falar nessa balela de Florianópolis ser a “Capital Turística do Mercosul”. Balela, porque o Mercosul tem inúmeras cidades turísticas importantes, como Buenos Aires, Mar del Plata, Fortaleza, Gramado e Canela, Balneário Camboriú, Salvador, Rio de Janeiro. Embora caído em desuso, o slogan continuo vistoso na placa que marca a divisa entre Florianópolis e São José.

* * *

Aliás, de onde vem esse título? Pesquisei e não descobri a origem. Oficialmente, Florianópolis é a “Capital Catarinense do Sandboard”. Apenas isso, por lei promulgada pela Assembleia Legislativa. A tal “Capital Turística do Mercosul” não tem fundamento oficial, nem acadêmico.

Social – Começa hoje o Sisau (Simpósio Internacional de Sustentabilidade na Arquitetura e Urbanismo), na Fiesc. Uma das atrações é Gustavo Restrepo, responsável pela reubanização de comunidades carentes em Medellín (Colômbia).

Tecnologia – Outra palestra de grande interesse no Sisau, hoje, é do arquiteto Paulo Martins, que debaterá “Nanotecnologia e Sustentabilidade”.

Trânsito – O engenheiro Bernardo Berka Filho lança hoje, às 19h30min, na Assembleia Legislativa, o livro “Nossas Dúvidas Sobre o Trânsito – 140 Perguntas e Respostas”. Berka é servidor do Deinfra e apresenta linguagem simples, direta e de fácil entendimento para motoristas e público em geral. A editora responsável pelo lançamento é a Multitarefa.

Estaleiro – Está programada para este sábado mais uma manifestação contra o estaleiro da OSX, desta vez com apoio da Associação de Moradores do Jurerê Internacional. Será no período da manhã, na praia do Pontal de Jurerê (Daniela), com participação de outras entidades e atividades culturais.

Altino – O jornalista Moacir Pereira lança mais um livro na próxima quarta-feira, apoiado pela Associação Catarinense de Imprensa. A obra trata da vida e obra do intelectual Altino Flores, uma das mentes mais brilhantes do jornalismo catarinense em todos os tempos, bisavô do Afrânio Boppré e do Carlos Eduardo Lino, não tem? Lançamento será no Palácio Cruz e Sousa, às 19h.

Ah, bom… – O Governo do Estado garantiu que não haverá interrupção do trânsito na SC-401 durante a temporada, por conta das obras de duplicação. Mas os engarrafamentos vão acontecer de qualquer jeito.

Ironia – Depois de uma rápida ação policial na terça-feira, os moradores de rua que habitavam a calçada do Procon se mudaram para a calçada ao lado da Procuradoria da Fazenda Nacional, a 50 metros da delegacia do Ministério do Trabalho. Seria trágico se não fosse irônico.

Anúncios

Ponto Final – 6 de outubro

Um alerta na Lagoa

Cineasta Eduardo Paredes distribui manifesto pela internet alertando os florianopolitanos sobre mais uma mudança na Lagoa da Conceição que pode comprometer a qualidade de vida naquele paraíso. O sonhado Parque da Lagoa, na área do Vassourão, está ameaçado: depois de desmatarem parte do terreno, os proprietários da área colocaram placas informando sobre a expedição de licenças ambientais para construção de mais um condomínio. A região atualmente é utilizada como campo de pouso de voo livre. Paredes lembra que 53 entidades assinaram uma representação, encaminhada às autoridades, visando ao tombamento daquela área para formação do Parque da Lagoa. Apenas o Ministério Público Federal deu algum tipo de satisfação. Por conta disso, o cineasta, morador do bairro há mais de 30 anos, propõe a realização de um grande ato público no dia 12 deste mês, para assinalar o descontentamento com a falta de sensibilidade oficial e dos empreendedores.

Quem é o palhaço?

Dentre as tantas coisas incompreensíveis emergidas da eleição de domingo estão duas questões graves: se Tiririca não provou que era alfabetizado, por que permitiram a candidatura, fazendo de palhaços o próprio e os seus mais de 1 milhão de eleitores? Se um candidato, como João Pizzolatti (PP–SC), estava impedido de concorrer, por que o deixaram participar? Fatos como esses desacreditam a democracia e nos deixam cada vez mais céticos em relação à Justiça Eleitoral.

Desempenho

É curioso observar no mapa da votação individual dos candidatos (Notícias do Dia de ontem), o desempenho de Cesar Souza Jr. (DEM) e Angela Albino (PCdoB) em Florianópolis: a exemplo da eleição de 2008, os dois terminaram rigorosamente empatados, fazendo 19 mil votos na capital catarinense. Há dois anos, na eleição para prefeito, Cesar Souza Jr. fez 30,8 mil votos e Angela Albino 29,5 mil votos.

Os dois podem ser considerados virtuais candidatos a prefeito em 2012, da mesma forma que Gean Loureiro (PMDB) e Angela Amin (PP).

Cultura em alta

No país que elege um palhaço de baixa (ou nenhuma) escolaridade como deputado federal, com mais de um milhão de votos, é saudável destacar eventos como o que a prefeitura de São José está promovendo durante esta semana: o Festival Literário (foto/Laureci Cordeiro). Com palestras, lançamentos de livros e espetáculos, o evento é uma ótima oportunidade para aproximar os estudantes do mundo das letras e da cultura.

Equilibristas

Eles se arriscam, quase todos os dias: sobem no telhado de um prédio de três andares, na região central de Florianópolis. Nenhum equipamento de segurança, apenas a confiança na habilidade de se equilibrar sobre o parapeito do edifício.

Arquitetura

As três capitais do Sul sediam até esta sexta–feira o 2° Sisau (Simpósio Internacional de Sustentabilidade em Arquitetura e Urbanismo). Em Florianópolis o simpósio acontece na Fiesc (Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina). Além de arquitetos convidados de diversas partes do mundo, quem fala amanhã, às 14h, é o presidente da Pedra Branca, empresário Valério Gomes Neto.

O drama da rua

Moradores de rua foram abordados ontem, na calçada do Procon, pela Polícia Militar. Situação difícil, porque eles saem e voltam ao mesmo lugar. E não é apenas na região central de Florianópolis que os moradores de rua encontram facilidades para se instalar com mala e cuia.

* * *

Leitor de Capoeiras ligou para informar que naquele bairro, nas imediações da Via Expressa, grupos de migrantes também estão ocupando terrenos para viver. E a pergunta que não quer calar: por que em outros municípios esse tipo de situação não prospera?

Florianópolis é uma mãe.

Hospital

O leitor Ednei Ribeiro comenta nota publicada ontem: “Com relação ao Hospital Regional de São José, quero deixar aqui, como paciente da hemodinâmica, meu depoimento: apesar das imensas dificuldades que sofre este hospital, pelo escasso número de funcionários e de leitos, quem tem seu problema atendido sai de lá agradecido por tanta dedicação e profissionalismo”.

Faltou um – Grato ao leitor Luiz Carlos Costa de Souza, que me corrige: na relação da representatividade regional, publicada na edição de ontem, faltou o nome do deputado estadual reeleito Marcos Vieira (PSDB), manezinho legítimo.

Normalidade – Terminada a eleição, Câmara Municipal de Florianópolis retomou atividades a todo vapor. Teve sessão ontem e terá hoje e amanhã.

Resultado – Os três vereadores candidatos da Capital não obtiveram êxito nas disputas proporcionais: Gean Loureiro (PMDB), Aurélio Valente (PP) e Ricardo Vieira (PCdoB).

Sem chance – Na Câmara de São José, o único candidato foi Antônio Batistti (PT). De Biguaçu, concorreu a vereadora Salete Cardoso (PSDB). Ambos pretendiam uma vaga para a Assembleia Legislativa, mas não conseguiram votação suficiente para se elegerem.

Nome – Outro com baixa votação foi o vice-prefeito de Tijucas, Rogerinho (PSB), que pretendia chegar à Câmara dos Deputados. Mas seus 5.759 votos são um indicativo de que pode ser candidato à sucessão do atual prefeito, Elmis Mannrich (PMDB).

Menos eleições – Ganha força nas ruas a discussão sobre a realização de eleições de cinco em cinco anos, sem direito a reeleição, para todos os cargos, de vereador a presidente da República. Simpatia popular é pela economia de recursos públicos que medida poderá proporcionar.

Ponto Final – 5 de outubro

Representatividade regional

A rigor, a Grande Florianópolis elegeu apenas cinco deputados estaduais: Cesar Souza Júnior (DEM), Sargento Soares (PDT), Renato Hinnig (PMDB), Angela Albino (PCdoB) e Lício Mauro da Silveira (PP). Nenhum deles é novato na Assembleia Legislativa. Apenas Angela, antes suplente, será efetivada no mandato popular. Mas a região metropolitana da Capital é muito congestionada: mais de cem candidatos “beliscaram” votos nos municípios. Quanto à Câmara Federal, a Grande Florianópolis pode se considerar representada por pelo menos dois deputados – Esperidião Amin (PP) e Paulo Bornhausen (DEM). Gervásio Silva (PSDB), que foi prefeito de São José, não conseguiu se reeleger.

Fracos

O prefeito Dário Berger não conseguiu eleger nenhum de seus candidatos à Assembleia e Câmara Federal. E o PSB, do prefeito de São José, Djalma Berger, não elegeu nenhum representante. Melhores desempenhos foram de vice–prefeitos: Cláudio Dalvesco (Balneário Camboriú), fez 15.354 votos para Assembleia; Rogerinho (Tijucas), alcançou 20.429 para Câmara.

De volta

Passado o calor da disputa, o vice-prefeito João Batista Nunes, que obteve 12.715 votos para deputado estadual, volta a se dedicar à questão da mobilidade urbana. Seja bem-vindo de volta, vice-prefeito, a cidade aguarda providências quanto aos muitos gargalos do trânsito no município. O senhor deve saber que as coisas pioram muito, dia a dia, e não há soluções visíveis ou razoáveis à vista.

Apelo

Governador eleito Raimundo Colombo: o senhor, que fez da saúde um dos pontos centrais de sua vitoriosa campanha, que tal uma visitinha básica ao Hospital Regional Homero de Miranda Gomes (São José). Mas não avise a ninguém. Apareça lá como paciente e tente ser atendido pelos profissionais daquele depósito de doentes. O senhor terá uma ideia muito aproximada do caos que lhe espera.

Abandono

Eleitores da 12ª Zona Eleitoral, como este colunista, que sempre votaram na Escola Silveira de Souza, foram transferidos este ano para um outro colégio, particular, na mesma rua. Nenhuma informação oficial sobre o caso. Supõe–se que o estado de abandono do tradicional estabelecimento público de ensino tenha sido o motivo. Se é verdade, só confirma o descaso governamental com o patrimônio histórico e cultural da cidade.

Emergente

Das várias análises que emergem do pleito de domingo para a Câmara dos Deputados está a de que  Gean Loureiro, mesmo ficando em 18ª no cômputo geral e 13º na sua coligação – que elegeu 10 – consolidou–se como nova força política em Florianópolis.  Deve ser considerado que há dois anos reelegeu–se vereador com pouco mais de 7 mil votos e agora quase carimbou seu passaporte para o Congresso Nacional com 68.921 sufrágios.

Musical

A primeira sessão do mês de outubro do Cineclube BRDE, nesta quarta–feira, 19h, apresenta o musical Cantando na Chuva, obra–prima do ator e diretor Gene Kelly. O filme foi lançado em 1952 é divertido e crítico, tendo Gene Kelly no papel principal e Donald O’Connor como seu parceiro, com coreografias e canções contagiantes. Após a exibição, Darci Costa mediará o debate.

Sem vez

Embora a obra seja necessária – trata-se de uma nova calçada, adequada à legislação – não deixa de ser curioso que o pedestre tenha sempre que ser penalizado em Florianópolis. Sem calçada, é obrigado a caminhar no leito da rua. As autoridades precisam disciplinar esse tipo de procedimento, para garantir a segurança das pessoas e evitar acidentes.

Peso – A Comcap recolheu ontem 10 toneladas de lixo espalhadas pela Capital. Não só propaganda política, tinha de tudo. Prova de que falta consciência cidadã e ambiental.

Realidade – Da leitora Bárbara Nunes: “Realmente, uma das maiores metrópoles do Brasil eleger o Tiririca como deputado federal é mostrar o quão patético está se tornando o ato de votar. A população está gritando: ‘Não adianta escolher, são todos iguais. E se não são, se tornarão’. Dura e fria realidade, de quando já não se contesta mais nada”.

Omissão – Outro leitor, Tadeu Harmonia, comenta nota sobre invasões em áreas de preservação permanente, como mangues, objeto de nota na edição de ontem. “Onde estão aqueles que se dizem protetores da natureza? Não há como controlar as invasões?”.

Perda – Será cremado hoje, em Balneário Camboriú, o corpo do professor Adilson Ventura, fundador e um dos principais dirigentes da ACIC (Associação Catarinense para Integração do Cego) e integrante do Conade (Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência). Morreu ontem, em Florianópolis, aos 71 anos.

Estilo – Luiz Antônio Rufino observa sobre nota publicada ontem, a propósito da elegância dos eleitores mais velhos no dia da votação: “Esta é a forma de darmos mais seriedade à política, que faz parte do nosso cotidiano. Pode não parecer, mas somos um país com o maior índice de analfabetismo e este se reflete nas coisas públicas. Os mais velhos levam a sério o instituto do voto”.

Justiça – O juiz João Marcos Buch, de Joinville, sempre chama atenção por suas sentenças polêmicas. Mandou soltar cidadão que havia sido preso por roubar produtos cujo valor totalizava meros R$ 37,80. Aplicou o princípio da insignificância.

Ponto Final – 4 de outubro

Tiririca, eleito deputado federal (SP) com mais de um milhão de votos, é a prova perfeita de que a democracia brasileira chegou à sua triste maturidade. O perfil anárquico e debochado do palhaço fará diferença na próxima legislatura.

A decisão dos catarinenses

O eleitorado catarinense resolveu escolher em primeiro turno o candidato do Democratas, Raimundo Colombo, para governar Santa Catarina pelos próximos quatro anos. Trata-se de uma vitória indiscutível, que não comporta questionamentos apaixonados, seja de quem for, em razão do número avassalador de votos que ele obteve.

O grande vencedor, obviamente, é o eleitor, o cidadão que compareceu em extrema maioria (mais de 85%) às seções eleitorais do Estado. Cumpre ao vencedor, portanto, corresponder à expectativa dos catarinenses, que com razoável folga, concederam à Tríplice Aliança (DEM-PMDB-PSDB) mais um mandato no comando dos destinos de Santa Catarina.

Os desafios são imensos. Saúde, segurança pública, educação e infraestrutura constituem o eixo central do programa de governo que Colombo deverá cumprir. E o que todos nós catarinenses esperamos é exatamente isso: que o governador eleito se empenhe em recuperar a qualidade de vida em nosso Estado.

Solução para o Miramar

Recentemente abordamos aqui a situação daquele esqueleto que pretende ser um memorial do antigo Miramar (foto), em frente à Praça Fernando Machado. Publicamos inclusive um croquis, feito pelo engenheiro e artista plástico Átila Ramos, demonstrando a possibilidade de melhor aproveitamento do espaço vazio. Essa preocupação não é de hoje. Em 16 de maio de 2009, Átila e José Cipriano da Silva, também artista plástico, encaminharam ao presidente da Câmara Municipal, Gean Loureiro, uma proposta concreta para recuperação do antigo símbolo de Florianópolis, demolido no início da década de 1970.

Área cultural

O documento assinado pelos artistas observa: “Aquele ocioso desenho arquitetônico hoje lá existente em nada colabora no sentido de nos trazer à lembrança aquele próprio integrante da memória de nossa Floripa”. A revitalização proposta por eles a Gean Loureiro representa a implantação de uma área cultural de multiuso.

Sem resposta

A nova configuração sugerida para o memorial, com cobertura e obras internas de baixo custo, apresenta espaços destinados para artes plásticas, literatura, folclore, artes visuais, espaço gourmet e espelho d’água, além de área para a prática do jogo de dominó. Embora tenha sido encaminhado à Câmara há mais de um ano, até hoje não houve qualquer retorno aos artistas quanto ao interesse do município em resolver a situação.

Invasões

Leitor Élcio Silva observa que, enquanto os manezinhos autênticos foram expulsos para a periferia, por causa da especulação imobiliária na Ilha de Santa Catarina, invasores de todas as partes da região Sul – inclusive do Oeste catarinense – ocupam cada vez mais espaços irregulares na capital catarinense. Conforme Élcio Silva, as invasões são flagrantes em todos os lugares da ilha.

Nem aí

Mas o que mais chamou atenção do leitor, na semana passada, foi a formação de uma favela na região da Costeira do Pirajubaé, próxima ao supermercado Imperatriz. “Estão construindo barracos no meio do manguezal, que é área de preservação permanente”, denuncia. O leitor buscou informações na região e descobriu que empresários e moradores tradicionais já denunciaram o caso às autoridades, mas ninguém deu bola.

A cidade merece

Artistas e produtores culturais comemoram a iniciativa da Faculdade Borges de Mendonça, que revitalizará o antigo Cine Ritz, de propriedade da Mitra Metropolitana, para ali implantar o Teatro Borges de Mendonça. O local será totalmente reformado nos próximos seis meses e depois de pronto vai se transformar num local de alto padrão para a realização de performances cênicas. A iniciativa valoriza a cultura florianopolitana e, ao mesmo tempo, mantém ativo o prédio que é um marco arquitetônico da região central.

Limpeza

Além de regulamentar o funcionamento de casas noturnas, a Câmara de São José vai colocar em discussão neste mês o caso da poluição visual nas ruas da cidade. O presidente do Legislativo, Amauri Valdemar da Silva (Amauri dos Projetos) observa que objetivo é padronizar a publicidade, uma vez que não existem regras para placas e outras ferramentas de divulgação comercial. A questão será discutida em audiências públicas com a comunidade e empresários.

Dúvida – Leitor que não pode se identificar questiona: “A humanização da Paulo Fontes prevê uma passagem subterrânea para o Ticen ou o projeto é apenas uma maquiagem?”. Pelo que a prefeitura apresentou, haverá um centro comercial no subsolo. Parte da Paulo Fontes era utilizada pelos ônibus, para acesso ao terminal.

Sinceridade – Um morador de rua me abordou na praça 15. Pediu R$ 1. “Não é para comer, doutor. É para tomar cachaça mesmo. Pra quê mentir, né?”.

Ruas do medo – Por falar em moradores de rua, dá medo, mas medo mesmo, circular pelas ruas centrais da cidade numa tarde de domingo. Ainda que ontem a Polícia Militar estivesse bem presente às nossas vias públicas, a quantidade de mendigos era assustadora.

Imundície – Sujeira, muita sujeira pelas ruas no domingo de eleição. Revoltante perceber como candidatos e cabos eleitorais desrespeitam as mínimas regras de civilidade.

Elegância – É impressionante como os eleitores mais velhos capricham na hora do voto. Comparecem às seções eleitorais exibindo elegância nos trajes. Muitos, ontem, pareciam resgatar o estilo “missa de domingo” para cumprir o ritual de votação. Impecáveis.

Fracasso – Foi decepcionante o desempenho de alguns candidatos à Câmara e à Assembleia Legislativa, sobre os quais as lideranças regionais da Grande Florianópolis, do PMDB e PSB, depositavam tanta esperança.

Ponto Final – 3 e 4 de outubro

Hora do voto

Este domingo assinala o grande e silencioso encontro da cidadania com o exercício pleno da democracia. É hora de elegermos o novo presidente da República, novo governador, e novos senadores, deputados federais e estaduais. Momento importante para a sociedade, em razão das profundas mudanças que o processo eleitoral pode promover na vida de todos.

Este momento nos estimula a inúmeras reflexões, sendo a mais importante delas relacionada à consciência coletiva sobre o destino do Brasil, dos brasileiros e dos catarinenses. Nas mãos de cada um de nós estará colocada essa imensa responsabilidade, que não pode, de forma alguma, ceder a qualquer tipo de tentação ou vantagem.

Exercer a cidadania com firmeza e independência é fundamental para que, no futuro, tenhamos a certeza de que escolhemos o caminho certo. E o nosso futuro depende apenas, e tão somente, de nós mesmos, aos escolhermos candidatos comprometidos com nossos sonhos, com a verdade democrática.

Obra de Cipriano, em homenagem a Domingos Fossari

Resgate histórico

Por toda sua vida, Domingos Fossari foi fascinado por Florianópolis e deixou em sua obra belos retratos da cidade. A Codap (Confraria Destherrense de Artistas Plásticos) resgata o amor do gaúcho pela ilha e abre nesta terça-feira, às 19h, no Espaço Cultural do BRDE, a exposição Releituras de Fossari, sexta edição da série “Pintando Florianópolis”. O grupo autodidata de artistas homenageia todo ano algum pintor que promova em sua obra o resgate da cultura ilhoa.

Eleição

Uma trupe de artistas de teatro (foto) promoveu uma intervenção urbana, na sexta-feira, divertindo as pessoas que passavam pela Rua João Pinto. As moças aproveitaram o clima pré-eleitoral para promover uma eleição diferente – a plateia tinha que escolher qual das moças se destacava melhor na apresentação (foto). Todas são formadas em teatro pela Udesc e promovem suas performances regularmente nas ruas da cidade.

Clima

O clima pré-eleitoral esteve muito tranquilo nas ruas centrais de Florianópolis, na sexta-feira. Muitos propagandistas espalhados pelas vias públicas, com grande concentração no Ticen, por onde passei ao meio-dia. Aliás, o terminal de ônibus foi o foco de alguns candidatos no início da manhã – partiram para o contato direto com os eleitores, para conquistar voto dos indecisos. O ponto negativo, mais uma vez, registrou-se em sinaleiras, retornos e cruzamentos – excesso de bandeiras causava insegurança ao trânsito.

Cobertura

Rádio Guarujá preparou um esquema especial de cobertura da eleição. Durante todo este sábado, exceto no horário do jogo do Avaí (21h), equipe de reportagem estará no ar para divulgação das últimas informações sobre o pleito. Neste domingo, com a participação deste colunista, cobertura completa do processo eleitoral e também da apuração. Desde as 7 da manhã até o encerramento.

Reciclagem

Começa nesta segunda-feira mais um curso de educação à distância promovido pelo governo da Itália e a Escola Hydroaid. O tema Coleta Seletiva e a Reciclagem no Mundo. Do Brasil, foram selecionados engenheiros das prefeituras de Belo Horizonte, Porto Alegre e Florianópolis – da Capital, participam o presidente da Comcap, Wilson Cancian Lopes, e Karina Pereira. Aliás, Lopes foi convidado a coordenar este ano um dos fóruns do curso, sobre a nova política brasileira de resíduos sólidos.

Hospital Unimed

Assembleia geral dos médicos cooperados da Unimed Grande Florianópolis decidiu, por ampla maioria (83,5% dos votos), que a cooperativa poderá comprar ou construir um hospital próprio na região metropolitana da Capital, visando a atender seus mais de 270 mil clientes. Dentro de 45 dias sairá a decisão da Unimed quanto à proposta de compra do prédio construído pela SOS Cárdio.

Atração – Chega a Florianópolis uma atração inédita, o Baseball Indoor, que estará no Floripa Shopping durante o mês da criança. Tem grama sintética e equipamentos semelhantes aos originais.

Abandono – Moradores de diversos condomínios do bairro Campeche estão indignados com o pouco caso das autoridades da segurança pública. Assaltos e arrombamentos são diários. Vítimas chegam a anotar placas de automóveis e motocicletas usadas pelos larápios, repassam para a polícia e não acontece nada.

Pouco caso – Tristeza na região meio Oeste de Santa Catarina, com a confirmação da morte da menina Andressa Holz, que estava desaparecida havia três meses. O mais curioso e revoltante é que o corpo foi encontrado pelo pai da menina e por três vizinhos, próximo ao local onde ela havia sumido. Por que a polícia não realizou buscas mais intensas na região?

Descontos – Vai ser votado na Câmara Municipal de Florianópolis o projeto de lei do Vereador Asael Pereira(PSB), que garante a todos os alunos, independente da idade, de cursos pré-vestibulares e de ensino preparatório, público ou particular, desconto de 50% em entradas de cinema, teatros, espetáculos musicais, circenses e de eventos esportivos.

Atrasos – Irritação dos passageiros com atraso dos coletivos se amplia cada vez mais. Na sexta-feira, houve confusão no Ticen, quando usuários buscaram explicações sobre a linha Volta ao Morro (Transol), que não estava no horário. Segundo um passageiro, representantes da empresa ficaram estressados com as queixas.

Símbolo – Por amor à democracia, e com muito orgulho, este colunista comparecerá à sua seção eleitoral, neste domingo, munido do título de eleitor e de um documento com foto. O título, muito mais do que um documento, é um símbolo da cidadania.

Duplicação – Secretaria da Infraestrutura de Santa Catarina confirmou na sexta-feira: o edital para conclusão da duplicação da SC-401, no Norte da Ilha, sai na próxima semana. Conforme a secretaria, todas as pendências foram resolvidas em Brasília. Esperamos que as obras não comecem na temporada.

Ponto Final – 1º de outubro

A origem da tranqueira

O “urbanista desconhecido” volta a atacar com considerações importantes sobre a tranqueira central de Florianópolis. Ele não atribui apenas à sinaleira do aterro a responsabilidade pelo trânsito complicado. Segundo ele, o fechamento da Avenida Paulo Fontes provocou uma reação em cadeia, afetando a Beira-mar, a Mauro Ramos, Bocaiúva, Osmar Cunha, Nereu Ramos, Padre Roma, entre outras. “Equivale a tapar um bueiro e aguardar a chuva…”, diz.

Segundo o urbanista a nova medida anunciada pela prefeitura – a criação de um retorno na Avenida Beira-mar – vai piorar ainda mais a situação. Ele defende a reabertura da Paulo Fontes e a criação de uma passarela ou passagem subterrânea para os pedestres. “Porque o resultado da humanização daquela avenida nós vemos todos os dias: a Paulo Fontes virou um camelódromo que serve também para manifestações religiosas que impedem a passagem dos pedestres”.

Segurança

Para Gilberto Rateke, o descaso oficial em relação aos miseráveis que vivem nas ruas “reflete diretamente na segurança pública. Quando os nossos governantes entenderão que o investimento em dar melhores condições de vida à população, além de estimular e criar espaços para práticas desportivas e culturais, especialmente para crianças e adolescentes, diminuirá, em muito, o problema da segurança pública?”.

Miséria social

Não sei se o leitor prestou atenção a uma estatística divulgada pela Secretaria de Segurança Pública no início desta semana. Trata da baixa escolaridade dos envolvidos em assassinatos em Santa Catarina, entre março e agosto deste ano. Quarenta e dois por cento dos homicídios foram cometidos por bandidos que não têm o ensino fundamental completo. “A falta de oportunidades e de opções de trabalho funciona como uma porta de entrada para o crime”, explicou o secretário André Luís Mendes da Silveira.

Resgate

Um dos filmes mais aplaudidos do Brasil nos últimos tempos, “Uma Noite em 67” estará em cartaz hoje e amanhã (sessões às 19h e 21h3) no Paradigma Cine Arte. Trata–se de um documentário que resgata a final do 3º Festival de Música Popular Brasileira, promovido pela TV Record, em 21 de outubro de 1967. Não só pela música, mas pelo clima político-cultural, de resistência à ditadura militar, “Uma Noite em 67” é um marco da cinematografia brasileira. 

Ebulição

Balneário Camboriú, uma cidade em permanente ebulição, está ganhando ares ainda mais contemporâneos com uma sequência de obras realizadas pelo atual prefeito, Edson Renato Dias (Edson Piriquito). As realizações estão sintetizadas no informativo que está sendo distribuído. Uma das mais importantes é a completa revitalização da Avenida do Estado – que vai ser um modelo de via urbana moderna, com pista exclusiva para ônibus e ciclovia. Bem que Florianópolis podia copiar o exemplo, em relação, por exemplo, à Avenida Mauro Ramos.

O governador Jorge Lacerda (esquerda), no dia de sua posse, em 1956, com o antecessor Irineu Bornhausen

Jorge Lacerda

Depois de lançar o site www.jorgelacerda.com.br, um memorial importantíssimo sobre a vida do ex-governador, a família Lacerda realiza campanha para coletar fotos, gravações, cartas, entre outros objetos que tenham pertencido a Jorge Lacerda ou ajudem a contar sua história. Quem tiver material que contribua com o acervo pode entrar em contato com a família através do próprio site, na seção “deixe uma mensagem”.

Prioridade – Notícias que odiamos ouvir ou ler, mas que explicam por que a saúde é considerada prioridade em qualquer programa de governo: “Em Blumenau idoso morre em frente de hospital enquanto aguardava por atendimento” (Do RIC Notícias, ontem à noite).

Vergonha – Leitor Tadeu Harmonia diz que tem vergonha de levar amigos de fora para passear pelo centro de Florianópolis. Não só por causa do cenário de miséria social, mas também pelas precárias condições dos equipamentos urbanos, como o Largo da Alfândega.

Beleza – Se já tem um extraordinário potencial turístico, Palhoça vai ampliar muito essa vocação quando a duplicação da BR-101 estiver concluída. Empreendedores do ramo estão de olho no litoral Sul do município para implantar novos equipamentos – como hotéis e restaurantes.

Ao largo – Cobranças pontuais (e diretas) no Twitter aos candidatos a cargos executivos: estaleiro da OSX, fosfateira em Anitápolis, liberação do aborto, união civil homossexual e descriminalização da maconha. Maior parte dos candidatos passa ao largo das questões incômodas.

Fome e sede – Curiosidades da 51ª Convenção Nacional do Comércio Lojista, encerrada na quarta-feira em Florianópolis: foram servidos no Centrosul 660 litros de café, 21 mil pães de queijo, 10 mil sanduíches e 2,2 mil litros de suco. Cinco mil lojistas participaram do evento.

Carvalhinho – Nossa torcida pela recuperação do jornalista Ilmar Carvalho, o querido Carvalhinho, um dos maiores especialistas em música brasileira de todos os tempos, internado em estado grave no Rio de Janeiro. Catarinense, vive na capital fluminense desde a década de 1960.

Omissão – Suspeito de sequência de assaltos violentos na Grande Florianópolis, inclusive do praticado ontem em Biguaçu, é um garoto de 17 anos que deveria estar na escola estudando. Por que não está? Porque é vítima de uma omissão histórica.

Ponto Final – 30 de setembro

Guerra ao excesso de decibéis

Uma das maiores dores de cabeça dos moradores de São José – a poluição sonora causada por bares e casas noturnas em áreas residenciais – vai voltar à pauta da Câmara Municipal em outubro, por iniciativa do presidente, Amauri Valdemar da Silva (Amauri dos Projetos). O vereador pretende disciplinar, definitivamente, a questão que incomoda em especial as comunidades do Kobrasol e Campinas. Serão realizadas audiências públicas, com a participação de moradores, empresários e autoridades.

Em conversa recente com este colunista, Amauri destacou informalmente que o ideal seria a transferência de bares e casas noturnas para a região da Avenida Beira-mar, onde a densidade populacional é menor. Mas mesmo essa ideia depende do plano diretor e de outras providências legais. De qualquer maneira, o presidente da Câmara pretende regulamentar a questão do funcionamento desses estabelecimentos ainda em 2010, por uma questão de respeito aos moradores que sofrem com o barulho e com as consequências do elevado consumo de álcool nos bares e boates.

A voz do leitor

O empresário Jorge Alberto Pereira Oliveira responde à nota de abertura de ontem, intitulada “Ninguém vai fazer nada?”, com uma afirmação categórica: “Eu lhe diria que não, infelizmente ninguém faz, ou fará nada! Dia desses, inclusive, no próprio Notícias do Dia, graduado da PM/SC, disse que a polícia não pode fazer nada, que o problema é social. A Prefeitura da Capital, que parece estar acéfala, seguiu no mesmo diapasão”.

Corpo mole

Continua o empresário sobre a invasão de espaços públicos por moradores de rua: “Ora, os bens públicos são bens comuns de todos nós e não podem ter a sua finalidade alterada. E por que as autoridades dizem que não podem fazer nada? Não saberia lhe responder se é só incompetência, medo, ou corpo mole. Não é de hoje que até as pombas que sobrevoam Praça 15 sabem que existe uma briga intestina na PM e que, enquanto não resolverem isso nós, o povo contribuinte, continuaremos abandonados à própria sorte”.

Destino

Jorge Alberto Pereira Oliveira conclui sua mensagem: “Nem os policiais resolvem o problema, muito menos o Alcaide de Desterro, porque está com a cabeça em outro lugar e não vê o que ocorre embaixo do seu nariz. Enquanto o tempo passa, essas cenas que retrataste continuarão a prejudicar, sujar, amedrontar, ameaçar, ocasionar assaltos e enfear a dita Capital Turística do Mercosul e o tão decantado melhor destino turístico do País”.

Fim da mamata?

“Eu moro na João Pinto há um ano e nunca haviam me multado. Sei que estava errado. Era um risco que corria. Só espero que isso não tenha sido uma ação isolada e que tenha continuidade. O calçadão é realmente muito movimentado. É preciso privilegiar os pedestres Acho que a prefeitura deveria fechar logo a via, assim como outras do centro histórico”, disse um motorista multado esta semana, pela PM, por estacionar sobre o calçadão. O valor é de quase R$ 600,00. Facada.

Recuperação

A Casan responde às considerações de um leitor sobre a buraqueira na Rua Antônio Scherer, bairro Kobrasol, informando que a recomposição do pavimento será realizada a partir de hoje. A empresa lembra também que o convênio firmado com a prefeitura de São José prevê o repasse de R$ 12 milhões para repavimentação asfáltica das ruas onde houve interferência das obras do PAC no município.

Arranhando – Usuários da linha Morro da Cruz (Transol) estão indignados com a falta de manutenção do coletivo número 0238. Faz 40 dias que o ônibus tem problemas no engate da primeira marcha. Como se trata de uma subida íngreme, que exige a marcha, motorista e passageiros passam sufoco.

Bicos – Ouvi ontem de um policial militar que atua no centro da Capital: quase todos os soldados têm que fazer “bicos” para completar a renda. Por que o governo não volta a pagar hora extra aos PMs e acaba com isso? Falta de dinheiro não é.

Zona preta – De um flanelinha negro, muito engraçado, para um motorista que chegava à procura de vaga no Centro às 17h45 de ontem: “Não tem mais Zona Azul. Agora é a hora da zona preta”, disse.

É Natal – O comércio tem uma grande expectativa em relação ao Natal – deve vender 12% a mais que em 2009 – mas os consumidores estão estranhando o que muitas lojas começaram a fazer ainda em setembro: decoração natalina quatro meses antes da festa.

Pirataria – Véspera de eleição rima com falta de fiscalização. Os ambulantes que oferecem DVDs piratas tomaram conta de toda a área central do Mercado Público de Florianópolis. Além disso, ampliaram a atuação nas outras vias públicas da região. Uma vergonha.