Posts Tagged ‘Educação’

Eles sempre estão certos

 

A divulgação dos dados do Enem demonstra que Santa Catarina está mal na foto da educação. O indicador de que 60% dos alunos ficaram abaixo da média nacional (50,52) é preocupante e comprova o pouco caso das autoridades estaduais com a qualidade de ensino.

Mas o governo — composto por gente que se acha genial — despreza o Enem ao não reconhecer grande valor nos dados divulgados, segundo a reportagem publicada pelo Diário Catarinense, de autoria da repórter Lilian Simioni: “Para o gerente de Ensino Fundamental da Secretaria de Estado da Educação, Isaac Ferreira, o Enem não é um dado de avaliação do ensino médio. Segundo ele, a prova é optativa e o universo de alunos participantes é pequeno. Ferreira também destaca que há muitos egressos do ensino médio fazendo a prova, não dando uma amostra, portanto, da realidade do ensino médio no Estado”.

Eles sempre reagem assim. Quando alguém aponta problemas de saneamento básico no Estado as autoridades culpam a população. Quando o caso é a segurança pública, a responsabilidade é dos bandidos. Quanto às deficiências saúde, é claro que o povo é o culpado (só falta dizerem “quem manda ficar doente!”). E por aí vamos, sempre ouvindo toadas do gênero. Eles sempre se justificam, nunca explicam e jamais tomam providências. Até porque, convenhamos, os gênios sempre estão certos, porque eles vivem num plano superior, numa realidade paralela.

Lacerda: a UFSC nos anos de chumbo

 

Morreu hoje o ex-reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, Roberto Lacerda. Entrei na UFSC em 1977, mesmo ano em que assumiu o sucessor de Lacerda, professor Caspar Erich Stemmer. Mas os reflexos da administração de Lacerda ainda podiam ser sentidos em todo campus, por causa do comprometimento do reitor com o regime militar. Ele tomou posse em 1972, quando a ditadura estava no auge de sua violência. Em sua gestão, professores e alunos esquerdistas — ou oposicionistas do regime — foram perseguidos e castigados. Podem até dizer que ele não tinha culpa, porque o Governo Federal controlava as universidades desde 1968, quando foi editado o Ato Institucional número 5, mantendo agentes agentes da polícia política dentro das instituições permanentemente. Mas por que o antecessor dele, o fundador da UFSC João David Ferreira Lima, não se curvou à ditadura — ou, pelo menos, se manteve numa posição mais distante, mais moderada, mais discreta?

Stemmer, o sucessor de Lacerda, teve um outro comportamento no cargo. Começou fiel ao governo, mas logo abriu canais de diálogo com estudantes, professores e servidores. Foi o reitor da transição. Depois dele, assumiu Ernani Bayer, ligado à Arena, mas de posições mais progressistas e modernas.