Posts Tagged ‘Comunicação’

Cuidado com as redes sociais

Um bafo quentíssimo nas redes sociais repercute nos portais de notícias de Santa Catarina e outros Estados. Confira o destaque do portal http://www.ricmais.com.br – “Bate-papo íntimo em rede social entre joinvilenses vira hit na internet” http://bit.ly/12S5dL2 

Papo cabeça com Osvaldina Zucco Weber

Idosos merecem atenção e dignidade

O dia 1º de outubro (segunda-feira) assinala o Dia Internacional do Idoso. Neste domingo (30/9), às 9h30, a Pastoral da Pessoa Idosa e o Conselho Regional de Contabilidade promovem uma missa na Catedral Metropolitana para lembrar e valorizar a população idosa catarinense. A Pastoral, coordenada por Osvaldina Zucco Weber, organiza redes voluntárias e treina líderes para atendimento domiciliar aos mais fragilizados, pelo abandono, pobreza ou doença. Osvaldina diz nesta entrevista que o maior problema enfrentado por eles é relacionado à saúde pública, mas abandono e violência também são fatores recorrentes.

É possível dizer, neste Dia Internacional do Idoso, que o Brasil hoje trata melhor seus idosos?

Mesmo com as mobilizações por meio das Conferências Nacional, Estadual e Municipal e dos Conselhos, ainda há muito que se fazer em relação à pessoa idosa. As desigualdades econômicas e sociais ainda são muito grandes. As pessoas idosas menos favorecidas, principalmente, enfrentam muitos desafios, como o preconceito, o abandono, a violência e o desrespeito da família e da sociedade em geral. A autonomia e a autoridade da pessoa idosa precisam ser preservadas e respeitadas. Que neste Dia Internacional do Idoso (1º de outubro) toda a sociedade se una em prol dos direitos e da valorização das pessoas idosas, é o que pregamos.

O Estatuto do Idoso é uma conquista social importante?

Sem dúvida, o Estatuto é uma importante conquista dos últimos anos, pois amplia os direitos dos cidadãos a partir dos 60 anos. É um grande instrumento para que se possa salvaguardar os direitos dos nossos idosos, como o direito a uma vida digna. A Pastoral da Pessoa Idosa (PPI) colabora com a divulgação e com a implementação do Estatuto do Idoso (Lei n. 10.741, de 1º de outubro de 2003). Mas, infelizmente, ele ainda não faz parte da rotina de todas as pessoas idosas.

Qual o maior problema que o idoso enfrenta na atualidade?

Acredito que seja quanto à saúde pública, mas há outras situações problemáticas, como a desestrutura familiar, o abandono, a solidão e o preconceito. Por isso, defende-se a necessidade urgente de incluir nos currículos da rede estadual e municipal conteúdos voltados ao processo de envelhecimento.

Hoje é possível envelhecer com qualidade de vida?

Sim. Houve avanços significativos na área de medicina. Além disso, a atividade física, a atividade intelectual, a integração no contexto social, as redes de amizades, a alimentação variada e saudável, o esporte, o lazer, o turismo e a educação contribuem para a longevidade e para uma melhor qualidade de vida da pessoa idosa.

O que faz a Pastoral da Pessoa Idosa para melhorar a situação geral dos idosos na nossa região?

A Pastoral da Pessoa Idosa (PPI) capacita pessoas da comunidade para acompanhar as pessoas idosas por meio de visitas domiciliares mensais. É um trabalho voluntário e ecumênico. A cada visita, o líder da PPI atua para promover o desenvolvimento físico, mental, social e espiritual das pessoas idosas, valorizando a história de vida, as experiências e a sabedoria adquirida ao longo dos anos. Quando encontra uma situação de vulnerabilidade, informa aos órgãos competentes.

E a Pastoral tem algum tipo de apoio?

A PPI também faz parcerias, somando esforços com outras pastorais, comunidade científica, associações de geriatria e gerontologia, organizações de defesa dos direitos dos idosos, de assistência social e outras entidades. Toda a comunidade é convidada a participar neste domingo, 30 de setembro, às 9h30, missa comemorativa na Catedral Metropolitana de Florianópolis.

Brincadeiras

As atividades do 3º Festival de Capoeira Ambiental continuam neste sábado (29), com brincadeiras gratuitas para as crianças no Horto Florestal, das 9h às 12h. O mestre Sardinha, do Grupo ZumBimBahia, comanda a roda de capoeira, a turma da loja Ri Happy do Floripa Shopping distribui brinquedos de espirrar água e o Centro de Educação e Cidadania Ambiental (Ceca) faz jogos que ensinam a garotada a refletir sobre a preservação da natureza.

Sucesso

Além de nosso dramaturgo Antônio Cunha, autor da genial peça “Dona Maria, a Louca”, outro florianopolitano faz sucesso na Europa. É Vinícius Ulrich Teixeira, nascido em Curitiba, mas radicado na capital catarinense há muitos anos. Ele lança nesta segunda-feira (1/10), às 18h30, na Toca do Urso da rua Bocaiúva, o romance “Madamme C05”, editado em Portugal e de lá distribuído para outros países europeus. A história se passa na 2ª Guerra Mundial e envolve mistérios e horrores daquele período.

Futuros chefs

A Semana Solidária da Criança, evento da Abrasel que vai levar cerca de mil crianças a 10 restaurantes e aos quatro shoppings de Florianópolis, entre os dias 1º e 5 de outubro, terá Guga Kuerten como padrinho. A abertura será nesta segunda (1/10), na Alameda Casa Rosa, com a presença do atleta e a ideia é propor novas experiências a todos, já que a maioria das crianças provavelmente nunca foi a um restaurante ou shopping.

Inclusão

“Aprender a vender” é o curso gratuito oferecido pela CDL de Florianópolis, em parceria com o Instituto Nexxera, para formar um banco de talentos. Ou seja, os participantes do curso terão muito mais chance de obter uma oportunidade de trabalho na rede de lojistas associados à CDL. O curso ensina atendimento aos clientes, técnicas de vendas, relações interpessoais, rotinas administrativas e noções de informática. Inscrições até dia 5, na CDL.

Estrelas…

Marcada para o dia 5 de outubro, no restaurante Villa do Porto, em Santo Antônio de Lisboa, a nova edição do Almoço das Estrelas, que fará uma homenagem póstuma especial a Altino Flores, fundador da Associação Catarinense de Imprensa, no ano em que a entidade comemora oito décadas.

… à mesa

À frente dos trabalhos estará, como sempre, o inesgotável comendador Roberto Laus. Entre as estrelas principais, outra figura marcante de Santa Catarina – o jornalista Ademir Arnon, presidente da ACI, conhecido por sua elegância cinematográfica.

Uma vitória de Santa Catarina

Polícia consegue impedir ataque a caixas eletrônicos em Penha, litoral Norte do Estado. Foi a primeira vez que as autoridades chegaram antes, numa prova de que a segurança pública de Santa Catarina melhorou muito, depois de anos de omissão e descaso. Confira minha opinião na coluna desta quinta-feira.

Vento Encanado

Na coluna do fim de semana meu entrevistado é o Nivaldinho Machado, comandante do único bloco carnavalesco de Florianópolis que não sai do lugar – o Vento Encanado. Confira aqui

Uma luz para o patrimônio histórico de SC

Patrimônio histórico ganha força em Santa Catarina com aprovação de programa específico, que garante recursos anuais para recuperação e manutenção dos bens tombados. Na coluna de hoje

Quintal ou pátio?

“Anda logo, guri, vai limpar o pátio!”. A frase, de uso comum em algumas regiões de Santa Catarina – sobretudo as mais próximas ao Rio Grande do Sul –, soa estranha em Florianópolis. Outro dia, um leitor indignou-se com a expressão “pátio” substituindo “quintal”, tão nossa, numa reportagem do jornal. Atribuiu o uso à provável origem do jornalista que escreveu a matéria. Desconheço o Estado de nascença do repórter. Mas aquilo me intrigou: até que ponto podemos admitir que jornais locais substituam expressões locais pelas equivalentes de outros Estados? Pátio, para nós florianopolitanos, refere-se ao terreno lajeado de uma escola, de uma repartição pública ou de um quartel. Nunca ao quintal caseiro, especificamente.

Em termos, é a mesma questão do “Ilha de Florianópolis”, usado comumente pelos jornalistas da RBS quando se referem à Ilha de Santa Catarina. Um deles, certa vez, discutiu comigo: “Ora, se Florianópolis está na Ilha de Santa Catarina, por que a ilha não pode ser chamada de ‘Ilha de Florianópolis’?”. Calei-me. Mas fiquei com vontade de dizer: “Pela mesma razão que, trabalhando em Porto Alegre, eu não teria o direito, por exemplo, de referir-me à capital gáucha como Porto do Guaíba, Porto dos Casais ou Porto Rio-grandense”.

* * *

Ah, sim, a ordem contida na frase com que iniciei este texto era dada com relativa frequência por minha mãe, quando eu era rapaz pequeno. E compreensível: ela nasceu no Planalto Serrano, onde viveu até os 23 anos de idade, e trouxe de lá um pouco da cultura gaúcha. Para uma parcela dos serranos, o quintal era (ou é) o pátio da casa. Podendo ser também, no caso da morada de minha avó, o pomar da casa.

Coluna de 4 e 5/2/12

Bom dia. Na coluna deste fim de semana (4 e 5/2/12), Papo cabeça com cantor Luiz Falcão. Tem ainda foto antiga: Terminal do Largo Fagundes. Quem lembra? Confira aqui.