Castello e Saldanha

Vivo fosse, o mais destacado colunista político brasileiro em todos os tempos, Carlos Castello Branco, teria completado 90 anos em junho deste ano. Ele morreu aos 73, em 1993. No antigo jornal O Estado, havia um estafeta que era encarregado de receber e distribuir as mensagens do telex (o e–mail da época) destinadas à redação. Esperto, o garoto sabia bem o que era para política, economia, nacional, interior ou esportes, as editorias que mais usavam o noticiário recebido por aquele meio.

Todos os dias, tinha que puxar do telex as colunas de Carlos Castello Branco (conhecido como Castello) e João Saldanha, o técnico que preparou a vitoriosa seleção de 1970 e era comentarista esportivo do Jornal do Brasil. Toninho Kowalsky, secretário de redação, perguntava todos os dias ao rapaz: “Anísio, já chegou o Castello? Já chegou o Saldanha?”. Tanto perguntou que, gozador como poucos, passou a encurtar a pergunta: “Castanha, já chegaram as colunas?”. Anísio, que era Anísio até aquele dia, passou a ser chamado de Castanha (Castello + Saldanha) definitivamente. Ao ponto que muitos funcionários novos que chegavam ao jornal achavam mesmo que o nome dele fosse Castanha.

Hoje em dia é funcionário da Transol – e continua sendo chamado de Castanha, ao menos pelo pessoal mais antigo e pela própria família.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: