Coluna de 23 de fevereiro

Polícia oculta

Segundo um oficial da Polícia Militar nem sempre o patrulhamento nos terminais de ônibus é feito por soldados fardados. Também estão atuando os agentes P2 (paisanos). A comunidade é que está errada quando pensa que os fardados é que inibem o crime.

Soluções para o Centro

Ontem, esta coluna abordou a questão da “morte” do centro histórico de Florianópolis. Curiosamente, a Associação Comercial e Industrial de Florianópolis (Acif) e a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) enviaram ao colunista mensagens diferentes, mas de conteúdo semelhante, abordando o tema: no caso da Acif, a modernização da Rua Vidal Ramos, compromisso já assumido pela prefeitura, em parceria com os comerciantes; no caso da CDL, a entidade chama atenção para o Núcleo Terminal Cidade de Florianópolis, criado com o objetivo de recuperar a vida no lado Leste da Praça 15 de Novembro, praticamente abandonado pelas autoridades.

Tanto Acif quanto CDL esperam o anúncio de medidas imediatas. É possível que a prefeitura inclua na programação de aniversário de Florianópolis os programas de revitalização da Vidal Ramos e da região do Terminal Cidade de Florianópolis.

Programa global

Bem que a prefeitura poderia anunciar na semana de aniversário, daqui a um mês, um programa global de revitalização do Centro, juntando forças com os comerciantes, os setores da segurança pública e os moradores. Uma cidade histórica e bonita como a capital catarinense não merece ficar à mercê de marginais e desocupados em geral.

A substituta

A empresa que vai operar a planta externa – terceirização dos serviços – da Oi em Santa Catarina chama-se RM Soluções em Infraestrutura. Tem sede no Ceará, opera em nove Estados e deve assumir suas tarefas em duas semanas. Segundo informações de especialistas do setor em Santa Catarina, a RM deverá “quarteirizar” os serviços, porque a demanda no Estado é imensa.

Lendas vivas

Duas lendas vivas da imprensa catarinense: Belmiro Sauthier (esquerda) e Orestes Araújo, durante encontro informal na prefeitura de São José. Belmiro, um mestre do texto. Orestes, um mestre do fotojornalismo.

Casa do Jornalista

Governador Luiz Henrique da Silveira entrega oficialmente hoje, às 15 horas, o prédio que vai abrigar as futuras instalações do Museu da Comunicação e Associação Catarinense de Imprensa (ACI). Imóvel fica na Agronômica, no antigo Abrigo de Menores. Uma das propostas da ACI é proporcionar ao espaço caráter interativo, com palestras, cursos, workshops e eventos que envolvam todas as mídias.

Turismo em alta

Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte e Santur lançam hoje o 1º Salão Catarinense do Turismo, evento programado para o período de 21 a 27 de março deste ano, no Centro Sul. Estandes de promoção e comercialização de produtos e roteiros turísticos das 10 regiões catarinenses, atrações culturais, palestras e workshops.

Esclarecimento (1)

Secretário de Governo do Prefeitura de Florianópolis, Carlos Roberto de Rolt, enviou mensagem para esclarecer a questão das arquibancadas na Nego Quirido, questionada pelo leitor Sérgio da Coloninha (Sérgio Alves). Rolt diz que os argumentos do leitor não são verdadeiros, porque cada escola recebeu 600 ingressos para distribuição às pessoas das comunidades.

Esclarecimento (2)

Ainda conforme o secretário de Governo, o fato de algumas arquibancadas não estarem lotadas pode ter sido originado pela não distribuição dos ingressos fornecidos, “pela pouca valorização ou pelo desinteresse de algumas arquibancadas estarem em posição menos privilegiada. Constatamos também que ingressos disponibilizados foram encontrados nas mãos de cambistas”.

Esclarecimento (3)

Finaliza o secretário Carlos Roberto de Rolt: “Outro fator complicador foi a resistência à determinação de que os ingressos deviam ser identificados com o número do RG, com o objetivo de combater os cambistas. Certamente a sistemática adotada este ano será revisada para o próximo”.

A verdade das cadeias

Dado oficial do Ministério da Justiça: dos 473,6 mil presos no país atualmente, 55 mil estão em delegacias, o que representa 12% da população carcerária brasileira. A maior parte em condições de insalubridade. Ontem, o Governo Federal lançou a Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública. Um dos objetivos é acabar com essa vergonheira que impera nas nossas delegacias e cadeiões.

Mau jeito

Apelo contido num press-release recebido pela coluna: “Como a prefeitura não está fazendo uma divulgação ampla do evento, ajude-nos a distribuir esta mensagem para entidades e pessoas comprometidas com o desenvolvimento social de Florianópolis”. O evento é a 1ª Conferência Municipal de Defesa Civil de Florianópolis, que acontece nesta quinta-feira, das 9 às 18 horas, na Fecomércio.

Cinemas – Para que a queixa de ontem, feita por esta coluna, não fique confusa: a falta de cinemas no Centro de Florianópolis não é problema do poder público. O que é problema do poder público é a falta de segurança pública e de urbanização na região central.

Poesia (1) – Recomendo aos leitores que gostam de poesia – e aos que não gostam, mas que podem gostar – o site do poeta Alcides Buss, um dos grandes nomes da nossa literatura. É www.alcidesbuss.com.

Poesia (2) – Atração da cidade hoje é o poeta português Luís Serguilha. Faz recital no Palácio Cruz e Sousa, às 18 horas, com entrada gratuita.

Roma – Esta coluna faz coro com Ricardo Medeiros, Luiza Gutierrez e tantos outros florianopolitanos da gema: queremos nosso Carnaval de volta em 2011. Chega de burocracia!

Diabetes – Já é lei: 25 de março é o Dia da Prevenção e do Controle do Diabetes em Florianópolis. Projeto do vereador Asael Pereira (PSB), aprovado pela Câmara, foi sancionado pelo prefeito Dário Berger.

Anúncios

2 responses to this post.

  1. Posted by Fredy on 24/02/2010 at 23:48

    Damião

    As explicações do SR. Secretário de Governo do Prefeitura de Florianópolis, Carlos Roberto de Rolt não me convenceram nem um pouco. Se as arquibancadas estavam vazias então por que muitas pessoas se espremiam na dispersão das escolas para assistir ao desfile? E por que muitos turistas, principalmente, estrangeiros, sem ninguém da organização para dar informações, deviam estar todos nos camarotes, vagavam perdidos pela concentração das escolas? Se algumas arquibancadas vazias estavam em lugares menos privilegiados, por que não foram liberadas para essas pessoas que não tinham ingressos e ficaram sem assisir ao desfile? Se nos ingressos constava o número da identidade da pessoa que o portava , então como os cambistas poderiam vender esses ingressos, se somente o portador do ingresso poderia ter acesso às arquibancadas após apresentação do documento
    de identidade, no momento da entrada. Então não houve verificação da identidade na hora que as pessoas se dirigiam às arquibancadas. Como os cambistas fizeram para vender esses ingressos? Alguém deve ter facilitado a vida desses cambistas. Essa história de cambista vender ingresso precisa ser investigada. Ou será que o cambista com toda a sua esperteza era quem colocava o número da identidades das pessoas na hora que vendia o ingresso? O Secretário tá tirando a gente pra bobo. Conversei com pessoas de várias escolas e muitas delas reclamaram da incompetência por parte da comissão de carnaval na questão da distribuição dos ingressos para a comunidade. A organização não se entendia: uma hora solicitava o número da identidade, em outra não exigiam mais. Foi uma bagunça geral. Eu acho que está na hora dessas pessoas serem um pouco mais humildes e assumirem que houve muitas falhas na organização do carnaval em Florianópolis. Você já percebeu que eles tem uma desculpa para cada problema detectado no carnaval. O pior é que tentam desqualificar o depoimento de pessoas honestas que pensam em carnaval como uma festa do povo, e não como um trampolim eleitoral ou algo para se auto promover. O carnaval de Florianópolis tem que ser pensado durante o ano todo: calendário, infra-estrutura, passarela, banheiros, postos de informação com pessoas que saibam falar no mínimo o espanhol, trânsito, rever a questão do carnaval no centro da cidade (porque este ano não teve carnaval no centro), repensar o horário do términio dos bailes públicos e dos desfiles dos blocos (encerrar o carnaval às 2 da manhã é pra matar qualquer folião. Imagem esses caras no carnaval da Bahia, Recife, Rio de Janeiro, Laguna. Eles querem fazer o melhor carnaval do Brasil e só se preocupam com a evento depois do Natal e Ano Novo, que com o superfaturamento daquela árvore, se transformou em notícia em todo o Brasil. Ao invés de tentarem encontrar desculpas para não assumirem que erraram e feio nesse carnaval, deveriam calçar a sandália da humildade e começar a partir de hoje a planejar o carnaval de 2011. Infelizmente esses caras não entendem nada de carnaval. O negócio deles é se manter no poder, custe o que custar. E o povo como está,, está com a corda no pescoço. Diz o dito popular….

    Responder

  2. […] Uma faxina bem-vinda » Soluções para o Centro 25/02/10 Da coluna de Carlos Damião (ND, […]

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: