A poesia do rio (1)

 PA020061 (2)

A manhã de sábado estava feia, nublada, fechada, carrancuda. Lá fora, na barra, um navio ingressava nas águas do rio Itajaí-Açu, muito mais calmo depois de tantos dias de forte correnteza. A máquina não era das mais adequadas, mas registrei o que vi naquele momento: a poesia do rio.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: