Emoções baratas

 

O presidente José Sarney apresentou hoje à tarde sua longa defesa a um plenário lotado. O Senado assistiu respeitosamente à fala de um ex-presidente da República e atual presidente da Casa. Sarney estava nervoso, cometeu lapsos – o que parece justificável, em vista de sua idade avançada (tem 79 anos) –, mas no geral se defendeu bem. A destacar aquilo que o comentarista Carlos Heitor Cony já havia argumentado no Liberdade de Expressão (CBN): a rigor, nomeações de parentes não constituem nenhum tipo de crime. Quando muito, são desvios éticos. Mas não crimes, passíveis de cassação ou qualquer outra punição rigorosa. Principalmente porque a reação legal à nomeação de parentes para cargos públicos é uma conquista muito recente da sociedade brasileira.

Vá lá, Sarney cometeu erros. Mas não é o culpado exclusivo por todas as mazelas da nossa política. Demonizá-lo é um recurso simplista, de comentaristas afoitos, de uma mídia louca por audiência fácil. E mais: se os jornais vivem da coleta, redação, edição e veiculação de fatos, que colham fatos de acordo com as velhas regras do jornalismo – que incluem a correta (e completa) apuração e o direito ao contraditório. Essa, infelizmente, não tem sido uma prática muito comum entre alguns jornalistas da grande mídia brasileira. Preferem o jornalismo fácil, predador, demolidor, do que o jornalismo como tem que ser exercido, sem parti-pris, sem pré-julgamento. Mas isso é sonhar demais, nesta sociedade que adora emoções baratas.

Anúncios

2 responses to this post.

  1. Enviei email com o conteúdo abaixo para o senador Sarney:

    Senador Sarney:

    Acompanhei o noticiário desta noite com as tomadas do seu discurso e não pude deixar de notar, tocou o coração, a ternura com que o senhor mencionou a sua neta explicando o motivo de atender o pedido de emprego para o namorado dela.

    Senador Sarney, arrume emprego para o namorado da sua neta em alguma das empresas do seu grupo empresarial, pague o senhor o salário dele e não faça com que nós paguemos com os impostos que recolhemos.

    Agradeço a sua atenção.

    ZOLTAN BERGMANN
    zoltan@bergmann.com.br

    Responder

  2. Posted by Carlos Henrique on 06/08/2009 at 16:28

    E tem mais, essa campanha pela renúncia do senador acaba por criar uma falsa expectativa em quem ainda não sacou que é tudo jogada política. Como as denúncias ou não tem fundamento ou não tem gravidade para forçar a renúncia ou a cassação, mas nos jornais e televisão é tudo tratado como de extrema gravidade, fica aquele cheiro de pizza. E dá-lhe desmoralização do Senado e da política. Depois aparece um Chávez por aqui e ninguém sabe por quê…

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: