Academia do Jacaré: making of

 

Beleza da década de 1920 vai ser, enfim, completamente restaurada

Beleza da década de 1920 vai ser, enfim, completamente restaurada

No Notícias do Dia deste fim de semana – disponível apenas nas bancas, a R$ 1,50 o exemplar – está publicada mais uma matéria de minha autoria. Trata da recuperação do prédio onde funcionaram os primeiros cursos superiores de Santa Catarina, entre as décadas de 1920 e 1930. O Instituto Politécnico foi fundado pelo historiador e jornalista José Boiteux, considerado o patriarca do ensino superior no Estado. Como Boiteux morreu em 1934, o instituto encerrou suas atividades no ano seguinte (1935). Na década de 1940 foi cedido para sediar a Academia de Comércio de Santa Catarina, instituição mantida por uma associação, mas sustentada pelo governo, que financiava as bolsas de estudos dos alunos. Por causa do apelido de seu diretor, Jorge Souza, a escola ficou conhecida pela infeliz denominação de “Academia do Jacaré”. Entre os estudantes que passaram por ali estava o atual governador Luiz Henrique da Silveira. E o ex-governador Esperidião Amin foi professor da academia.

O Governo do Estado, através do Funcultural, vai financiar a restauração do prédio, que está em péssimo estado de conservação. Depois de pronto – daqui a um ano – o imóvel, tombado como patrimônio histórico estadual desde 1996, vai ser a Casa José Boiteux, tendo como seus ocupantes a Academia Catarinense de Letras e o Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina. As duas instituições foram também fundadas por Boiteux.

Nas fotos abaixo, uma espécie de making off da matéria que eu e Edu Cavalcanti (fotógrafo) assinamos. As imagens publicadas aqui são de minha autoria. Estivemos no prédio acompanhados pelo assessor governamental Joceli de Souza e pelo professor Carlos Humberto Pederneiras Corrêa, presidente do IHGSC.

Professor Carlos Humberto Corrêa e Joceli de Souza: vistoria

Professor Carlos Humberto Corrêa e Joceli de Souza: vistoria

Sucata: um legítimo CP 500 que era usado pela Academia Jacaré

Sucata: um legítimo CP 500 que era usado pela Academia Jacaré

Escadas perigosas: tudo será restaurado pela empresa contratada

Escadas perigosas: tudo será restaurado pela empresa contratada

Janela da antiga Escola Normal, vista de uma janela da Academia

Janela da antiga Escola Normal, vista de uma janela da Academia

Professor Carlos Humberto: conferindo espaço onde ficará o IHGSC

Professor Carlos Humberto: conferindo espaço onde ficará o IHGSC

Anúncios

8 responses to this post.

  1. Posted by SANTOS, izidoro A. dos ... on 26/07/2009 at 9:28

    Esta sim é uma notícia alviçareira, do ponto de vista cultural. Parabéns aos que tomaram tal iniciativa. O prédio merece ser preservado sim, ao contrário de muitos outros por aí, onde se emprega dinheiro público indeviamente e o IHG/SC já deveria ter merecido maior atenção há muito tempo.

    Responder

  2. Agora é só ficar atento a aplicação do dinheiro do FUNCULTURAL – O Ministério Publico de Santa Catarina tem deenas de ações sobre o mal uso do Fundos geridos pela Secretaria de Cultura Esporte e Turismo. Um dos famosos á a ARENA JURERÊ onde R$ 1.200.000,00 foram para o vinagre.

    Responder

  3. Ótima notícia a restauração de um dos prédios mais bonitos do nosso centro. Com certeza ajudará nos esforços de revitalizar a região da R. João Pinto, tomada pelos usuários de crack. Fiquei sabendo que o Dr. Ricardo está se organizando com alguns representantes culturais para realizar atividades nessa área.

    Só uma correção, Damião, a expressão inglesa se grafa “making of”. Abraço.

    Responder

  4. Posted by Paulo Arenhart on 27/07/2009 at 11:40

    Tive o prazer de ser o Diretor Geral da FCC que tombou este prédio, juntamente com mais de uma centena de imóveis em SC, entre eles a Ponte Hercílio Luz. A política cultural implantada no governo Paulo Afnoso priorizou a preservação do nosso patrimônio histórico, passando de apenas 8 para quase 200 imóveis tombados no Estado e outros tantos com processos iniciados. O que está faltando hoje é uma iniciativa daquela época em que o Estado lançava edital público para a restauração destes bens tombados. Se eu não me engano, pelo menos 3 imóveis por ano, com projetos, recebiam dinheiro para o restauro.

    Responder

  5. Posted by caio on 27/07/2009 at 22:01

    Tem razão o Paulo, se nestes 15 anos os governos tivessem restaurado 3 imóveis por ano, teríamos 45 prédios tombados completamente restaurados. Mas os governos passam e as prioridades mudam. Infelizmente.

    Responder

  6. Posted by wanderson on 30/08/2009 at 0:22

    esse CP500 bem que poderia ser doado pra mim, hein?
    🙂

    Responder

  7. Eu quero este CP500… Moro em Tubarão e tenho casa em Floripa, vamos conversar?

    Responder

  8. Posted by Conceição on 10/02/2012 at 9:34

    Estudei na ACADEMIA DO COMÉRCIO DE SANTA CATARINA (JACARÉ) FIZ TECNICO EM CONTABILIDADE, FOI UM TEMPO BOM.

    QUE BOM QUE ESTÃO REFORMANDO.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: