Nossa memória ameaçada

 

O caso do palacete do governador Hercílio Luz não é único na cidade: há inúmeros casarões tombados como patrimônio que, submetidos à ação do tempo, podem livrar seus proprietários dos rigores da lei. O casarão da esquina da Vidal Ramos com a escadaria do Rosário é um deles. Há também uma velha casa colonial na Rua General Bittencourt e outra na Conselheiro Mafra na mesma situação. Sem esquecer as paredes de um belo imóvel na esquina da Rua Fernando Machado com a Avenida Hercílio Luz. Dentro dele, funciona um estacionamento do hotel que fica ao lado.

Anúncios

8 responses to this post.

  1. Posted by Aline on 09/07/2009 at 11:28

    O povo de Florianópolis tem o péssimo costume de vender sua patrimônio histórico e deixar que acabem com a história para construir prédios e mais prédios. Coqueiros tem alguns casos, o centro está cheio de exemplos. Aí o povo vai pra Europa, visitar museus e prédios antigos. É dose!

    Responder

  2. Ouvi dizer que o prédio da Academia do Jacaré vai virar sede do IHGSC e da Academia Catarinense de Letras. Sabem algo sobre isso?

    Responder

  3. Menos Aline, menos. Generalização descabeçada a sua: oque é õ povo de Flotrianópolis”. parece o Brito falando “a trocida do Figeuirense, a torcida do Avaí”. Menos Aline, menos…

    Na rua Pedro Ivo (entre a Ten. silveira e Felipe schmidt)a prefa autorizou a demolição de dois caasarões da antigos. Temos um lamaçal dando espaço a um estacionamento provisório. La nave va pro brejo.

    Responder

  4. Posted by Aline on 09/07/2009 at 14:31

    A prefeitura faz pq o povo permite. O prefeito faz pq foi colocado ali… O brasileiro, em geral, não valoriza o que é bom aqui, e vai pro exterior, achando graça de tudo…

    Responder

  5. Posted by Aline on 09/07/2009 at 14:45

    Mas o LesPaul tem razão, não é bom generalizar! Sorry!

    Responder

  6. Posted by Carlos on 09/07/2009 at 15:29

    Eu moro e trabalho no centro, caminho muito por aqui e fico injuriado com essa falta de apreço pelos prédios antigos, com essa sanha destruidora das construtoras, com a falta vergonha na cara dos vereadores que aprovam alterações no Plano Diretor para viabilizar esses monstrengos. Moro aqui há 13 anos e vi o processo de destruição da Presidente Coutinho, partes da São Jorge, e agora avançam pela Feliciano Nunes Pires. O que mais me irrita é que parece que só eu me preocupo com isso, com as consequências dessa explosão desordenada de prédios. Prefeitura, IPUF, povo em geral, parece que ninguém liga. O que é aquilo ao lado do Angeloni da Rio Branco? Como é que podem colocar um monstro daqueles naquele lugar?

    Responder

  7. Posted by Anthony Toini on 09/07/2009 at 15:53

    Dois anos atrás uma casa bem antiga, datada de 1920 na sua fachada, foi recuperada no bairro Capoeiras, próximo ao TICAP. Aquela rua servia de ligação entre São José e o Estreito (a antiga Santos Saraiva). Seis meses depois a casa foi demolida, causando espanto para os moradores, pois tinha sido recuperada poucos meses antes. Foi uma parte da memória do bairro e da parte continental da cidade que se foi, para dar espaço a uma área de uns 5.000 m2 sem qualquer utilidade atualmente.

    Responder

  8. Posted by Breno on 09/07/2009 at 16:59

    Há também uma casa antiga na Anita Garibaldi, uma quadra antes da entrada lateral do IE. Para essa, falta pouco a ruína total.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: